Treino e Avaliação

Para além dos Seminários, na Made2Coach centramos muita da nossa actividade em Exercícios, que dividimos em Exercícios de Decisão (Discussão Dirigida/TableTop), Exercicios Sectoriais (DRILL's), Exercícios Funcionais (CPX) e Exercícios Reais (Escala Real/Simulacro).

1. Seminários

Os Seminários são geralmente actividades formativas projectadas para (in)formar os seus participantes sobre a organização e quais os procedimentos a usar para responder a um incidente. O Propósito de um Seminário de Orientação é fornecer uma perspectiva global, ou introdução, de modo a familiarizar os participantes com os papéis, planos, procedimentos e equipamentos. Pode igualmente ser utilizado para resolver questões de coordenação e para atribuição de responsabilidades.

 

2. Exercícios de Decisão (TTX)

Um Exercício de Decisão, também conhecido como Discussão Dirigida ou TableTop (TTX) tem o propósito de proporcionar a análise de uma situação de emergência num ambiente informal e sem stress. É concebido para proporcionar uma discussão construtiva ao mesmo tempo que os participantes examinam e resolvem problemas baseados nos planos operacionais existentes e identificam quais os planos que necessitam de ser refinados.

Neste tipo de exercício, o sucesso depende em grande escala da participação do grupo na identificação das áreas problemáticas.

Os "facilitadores" que estão a conduzir o TTX têm como missão liderar a discussão, ajudando os participantes a não saírem do objectivo do exercício.

Num Exercício de Decisão, o nível de simulação é mínimo não sendo utilizado equipamento, mobilizados recursos, nem impostos constrangimentos de tempo.

Os exercícios TTX apresentam normalmente as seguintes características:

  • Envolvem o grupo na resolução de problemas;
  • Os gestores de topo familiarizam-se com os assuntos críticos relativos às suas responsabilidades;
  • Testam a simulação de um cenário específico;
  • As contingências em pessoal são examinadas;
  • Os participantes partilham informações;
  • A coordenação inter-departamental da empresa é avaliada;
  • Os objectivos específicos são normalmente conseguidos;
  • Preparam os participantes para uns exercícios mais complexos.

 

3. Exercicios Sectoriais (DRILL's)

O propósito de um Exercício Sectorial é testar uma operação ou função específica de forma coordenada e sob supervisão.

Um Exercício Sectorial não testa a coordenação entre organizações nem necessita de activar a totalidade do Centro de Operações de Emergência (COE). A sua função num programa de exercícios é praticar e aperfeiçoar uma pequena parte do plano de resposta e ajudar a preparação de exercícios mais abrangentes, em que várias funções serão coordenadas e testadas.

A eficácia de um Exercício Sectorial reside no facto de se centrar numa única e relativamente limitada parte de um sistema global de gestão da emergência e de permitir concentrar o foco numa área problemática que tenha sido identificada.

 

4. Exercícios Funcionais (CPX)

Um Exercício Funcional é um exercício interactivo de simulação total que testa a capacidade de uma organização para responder a um evento simulado.

Este tipo de exercício permite testar múltiplas funções de um plano operacional de uma organização, assentando numa resposta, coordenada, a uma determinada situação, simulada de forma realística, com constrangimentos de tempo.

Um Exercício Funcional incide sobre a coordenação, integração e interacção das políticas, procedimentos, papéis e responsabilidades de uma organização, antes, durante ou depois do evento simulado.

 

5. Exercícios Reais

Um Exercício à Escala Real ou Simulacro simula um evento real tão realisticamente quanto possível.

É um exercício concebido para avaliar a capacidade operacional de um Sistema de Gestão da Emergência num ambiente de tensão elevada que simula as condições reais de resposta. Para auxiliar ao realismo, requer a mobilização efectiva de pessoal, equipamento e recursos. Preferencialmente, um exercício à Escala Real, deverá testar a maior parte das funções do Plano de Gestão da Emergência ou do Plano Operacional.

Este tipo de exercício difere dum Exercício Sectorial na medida em que coordena as acções de várias entidades, testa várias funções da emergência e activa o Centro de Operações de Emergência ou outro centro de operações. O realismo é conseguido através de:

  • Acções e decisões no terreno;
  • Vítimas simuladas;
  • Requisitos de busca e salvamento;
  • Emprego de meios de comunicação;
  • Mobilização de equipamento;
  • Alocação efectiva de pessoal e de recursos.
 
made2grow_semfundomade2web_semfundo made2learn_semfundo made2start_semfundo
Made2Web